quarta-feira, 14 de março de 2012

AOS MOÇOS - CORA CORALINA

Aos moços 

Eu sou aquela mulher a quem o tempo muito ensinou.
Ensinou a amar a vida.
Não desistir da luta.
Recomeçar na derrota.
Renunciar a palavras e pensamentos negativos. 
Acreditar nos valores humanos.
Ser otimista.
Creio numa força imanente que vai ligando a família humana 
numa corrente luminosa da fraternidade universal.
Creio na solidariedade humana.
Creio na superação dos erros e angústias do presente. 
Acredito nos moços.
Exalto sua confiança, generosidade e idealismo. 
Creio nos milagres da ciência
e na descoberta de uma profilaxia futura dos erros e violências do presente. 
Aprendi que mais vale lutar do que recolher dinheiro fácil. 
Antes acreditar do que duvidar.

                                                          Biografia de Cora Coralina 

Cora Coralina, pseudônimo de Ana Lins do Guimarães Peixoto Brêtas, 20/08/1889 — 10/04/1985, é a grande poetisa do Estado de Goiás. Se achava mais doceira do que escritora. Considerava os doces cristalizados de caju, abóbora, figo e laranja, que encantavam os vizinhos e amigos, obras melhores do que os poemas escritos em folhas de caderno. 
Só em 1965, aos 75 anos, ela conseguiu realizar o sonho de publicar o primeiro livro, Poemas dos Becos de Goiás e Estórias Mais. Ana Lins dos Guimarães Peixoto Brêtas viveu por muito tempo de sua produção de doces, até ficar conhecida como Cora Coralina, a primeira mulher a ganhar o Prêmio Juca Pato, em 1983, com o livro Vintém de Cobre – Meias Confissões de Aninha. 
Nascida em Goiás, Cora tornou-se doceira para sustentar os quatro filhos depois que o marido, o advogado paulista Cantídio Brêtas, morreu, em 1934. “Mamãe foi uma mulher à frente do seu tempo”, diz a filha caçula, Vicência Brêtas Tahan, autora do livro biográfico Cora Coragem Cora Poesia. “Dona de uma mente aberta, sempre nos passou a lição de coragem e otimismo.” Aos 70 anos, decidiu aprender datilografia para preparar suas poesias e enviá-las aos editores.
 Cora, que começou a escrever poemas e contos aos 14 anos, cursou apenas até a terceira série do primário. Nos últimos anos de vida, quando sua obra foi reconhecida, participou de conferências, homenagens e programas de televisão, e não perdeu a doçura da alma de escritora e confeiteira.

fonte: O Pensador

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário